Dr. Hélio repudia veto de Bolsonaro a projeto que combate a 'pobreza menstrual'
14/10/2021 12h35

 

 
Dr. Hélio repudia veto de Bolsonaro ao projeto da “pobreza menstrual”
O deputado estadual Dr. Hélio (PL) repudiou em pronunciamento na sessão ordinária de hoje (14) da Assembleia Legislativa o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional garantindo a distribuição de absorventes para mulheres em situação de “pobreza menstrual”.
Para ele, o presidente Bolsonaro cometeu um equívoco grave e desrespeitou a condição de milhões de mulheres que deixam de frequentar a escola no período menstrual apenas porque não tem o dinheiro para comprar o absorvente. “Felizmente aqui no Piauí o governador Wellington Dias foi sensível ao nosso projeto aprovado nessa casa e o Estado vai distribuir os absorventes para todas as meninas e jovens que precisarem”, disse.
Segundo suas pesquisas, 28% das meninas deixam de ir às aulas no período menstrual e no Brasil são mais de 20 milhões de pessoas que não tem o que comer. “O governo Bolsonaro está levando o País a regredir, a ficar na miséria alimentar. E ele rejeita um projeto desse alegando que não tem recursos. Temos um governo que prioriza o armamento e menospreza a saúde”, assegurou.
Em aparte, o deputado Ziza carvalho (PT) também repudiou o veto do presidente Bolsonaro e disse ser pai de uma adolescente de 13 anos e por isso ter conhecimento do trauma psicológico que a falta de um absorvente causa a uma pessoa.
O deputado Evaldo Gomes (Solidariedade), também em aparte, afirmou ser sensível a essa causa ao ponto de no ano passado ter apresentado um projeto similar. Ele disse que não concorda com o argumento do presidente de que não existem recursos para a distribuição de absorventes, pois o mesmo Ministério da Saúde distribui absorventes. “é uma discriminação com os mais pobres, é um argumento que não convence ninguém”, falou.
O deputado estadual Franzé Silva (PT) também argumentou que o presidente da República está cometendo um retrocesso ao vetar a distribuição de absorventes. Ele disse que gostaria  de ter assinado junto com Dr. Hélio o projeto sancionado pelo governador, mas tem uma proposta mais ampla em relação à saúde das mulheres, no qual propõe a extensão dos absorventes para as mulheres em situação prisional, de risco financeiro e as adolescentes e jovens estudantes em situação de risco.
Retomando o seu pronunciamento, Dr. Hélio afirmou ainda que outra proposta sua foi sancionada pelo governador Wellington Dias sobre o pagamento de uma bolsa de R$ 500 para os “órfãos” da pandemia da Covid-19. “Essa proposta foi seguida pelos demais estados do Nordeste, por solicitação do governador Wellington Dias, presidente desse Consórcio”, encerrou.
Durvalino Leal
 

O deputado estadual Dr. Hélio (PL) repudiou em pronunciamento na sessão ordinária de hoje (14) da Assembleia Legislativa o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional garantindo a distribuição de absorventes para mulheres em situação de “pobreza menstrual”.

Para o orador, o presidente Bolsonaro cometeu um equívoco grave e desrespeitou a condição de milhões de mulheres que deixam de frequentar a escola no período menstrual apenas porque não tem o dinheiro para comprar o absorvente. “Felizmente aqui no Piauí o governador Wellington Dias foi sensível ao nosso projeto aprovado nessa casa e o Estado vai distribuir os absorventes para todas as meninas e jovens que precisarem”.

Segundo suas pesquisas, 28% das meninas deixam de ir às aulas no período menstrual e no Brasil são mais de 20 milhões de pessoas que não tem o que comer. “O governo Bolsonaro está levando o País a regredir, a ficar na miséria alimentar. E ele rejeita um projeto desse alegando que não tem recursos. Temos um governo que prioriza o armamento e menospreza a saúde”, assegurou.

Em aparte, o deputado Ziza carvalho (PT) também repudiou o veto do presidente Bolsonaro e disse ser pai de uma adolescente de 13 anos e por isso ter conhecimento do trauma psicológico que a falta de um absorvente causa a uma pessoa.

O deputado Evaldo Gomes (Solidariedade), também em aparte, afirmou ser sensível a essa causa ao ponto de no ano passado ter apresentado um projeto similar. Ele disse que não concorda com o argumento do presidente de que não existem recursos para a distribuição de absorventes, pois o mesmo Ministério da Saúde distribui absorventes. “é uma discriminação com os mais pobres, é um argumento que não convence ninguém”, falou.

O deputado estadual Franzé Silva (PT) também argumentou que o presidente da República está cometendo um retrocesso ao vetar a distribuição de absorventes. Ele disse que gostaria  de ter assinado junto com Dr. Hélio o projeto sancionado pelo governador, mas tem uma proposta mais ampla em relação à saúde das mulheres, no qual propõe a extensão dos absorventes para as mulheres em situação prisional, de risco financeiro e as adolescentes e jovens estudantes em situação de risco.

BOLSA
- Retomando o pronunciamento, Dr. Hélio afirmou que outra proposta sua foi sancionada pelo governador Wellington Dias sobre o pagamento de uma bolsa de R$ 500 para os “órfãos” da pandemia da Covid-19. “Essa proposta foi seguida pelos demais estados do Nordeste, por solicitação do governador Wellington Dias, presidente desse Consórcio”, encerrou.

Durvalino Leal - Edição: Katya D'Angelles
 

 

Av. Mal. Castelo Branco, 201 - Cabral - Teresina/PI (86) 3133-3022 Copyright © 2019 - Assembleia Legislativa do Piauí